Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/08/20 às 13h15 - Atualizado em 21/08/20 às 13h19

Grand Challenges: aberta chamada para projetos inovadores em ciência de dados para melhoria da saúde de mulheres e crianças

O Ministério da Saúde, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e, em colaboração com a Fundação Bill & Melinda Gates e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa – Confap, lançou nesta semana o segundo Grand Challenges Explorations (GCE) exclusivo para projetos no Brasil sobre o tema “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil, saúde da mulher e da criança no Brasil”. A chamada vai financiar propostas inovadoras de até 550 mil reais que utilizem análises de bancos de dados e técnicas de machine learning para entender os principais fatores que impactam impactam a saúde materno-infantil, a saúde das mulheres e das crianças no Brasil e propor soluções nessas áreas. Além disso, a chamada incentiva o envio de propostas que considerem os impactos da pandemia da COVID-19 na saúde desses grupos.

Em 2018, a primeira chamada do GCE em Ciência de Dados financiou 14 projetos na área da saúde materno-infantil. Os selecionados utilizaram uma ampla variedade de ferramentas de análise, como cruzamentos, visualização de dados, machine learning e inteligência artificial, para gerar informações que ajudaram a avaliar políticas existentes ou a criar novos programas para melhorar a saúde de mulheres e crianças.

Entre os projetos financiados e que já foram concluídos na primeira chamada estão o de Muriel Gubert e Gilberto Kac. Muriel, professora da UnB e doutora em Ciências da Saúde, ao lado dos pesquisadores Gabriela Buccini e Marcos Ennes, criou o Índice Município Amigo da Primeira Infância, o IMAPI, que avalia ambientes favoráveis para o desempenho na primeira infância em municípios brasileiros. O IMAPI foi criado a partir da agregação de um conjunto de indicadores de diferentes bases de dados sobre os municípios e tem como objetivo apoiar a tomada de decisões de gestores sobre políticas relacionadas à primeira infância. “A ideia da ferramenta é que o município reconheça suas fragilidades e suas fortalezas para melhorar o desenvolvimento na primeira infância”, explica Muriel. O projeto recebeu apoio adicional da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF).

Já o projeto do pesquisador e professor titular da UFRJ, Gilberto Kac, tem como objetivo criar uma nova curva de monitoramento de ganho de peso gestacional para auxiliar no monitoramento das mulheres durante a gravidez. Durante este período, é importante que a mulher ganhe peso, mas é preciso que este ganho fique dentro dos parâmetros considerados normais. “É importante que a mãe acompanhe esta curva. Uma mulher que ganha um peso muito acima da recomendação tem riscos de ter obesidade no pós-parto, por exemplo. Se ela ganha abaixo do recomendado, pode gerar crianças desnutridas”, explica Gilberto. A ideia é que em 2021 a nova curva substitua a antiga que está nas cadernetas de gestantes utilizadas no SUS.

Nesta segunda rodada, os pesquisadores terão acesso aos bancos de dados vinculados ao DATASUS/MS, à Plataforma de Ciência de Dados Aplicada à Saúde (PCDaS/FIOCRUZ) e ao Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde, o CIDACS/FIOCRUZ. Este último disponibilizará aos pesquisadores datasets da Coorte de 100 milhões de brasileiros que têm dados entre 2006 e 2018 oriundos do Cadastro Único (CadUnico), do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do programa Bolsa Família e do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). Mais detalhes sobre os dados disponíveis das três plataformas podem ser acessados em bit.ly/GCE-2020-synapse.

O recebimento de propostas para esta chamada do Grand Challenges Explorations – Brasil vai até o dia 28 de setembro e os projetos devem ser encaminhados, em português e  inglês, ao CNPq através do Formulário de Propostas online disponível na Plataforma Carlos Chagas (carloschagas.cnpq.br). Para enviar seu projeto, o proponente deve ter vínculo formal com a instituição de pesquisa brasileira, a qual precisa estar cadastrada no Diretório de Instituições do CNPq.

Para mais informações sobre como enviar projetos, acesse: bit.ly/GCE-2020-cnpq

SOBRE O CIDACS

O Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (CIDACS) realiza estudos e pesquisas baseados em projetos interdisciplinares originados na integração de grande volume de dados. Com auxílio de recursos computacionais de alto desempenho e do conhecimento já acumulado pelos pesquisadores associados, o CIDACS contribui para a produção de conhecimentos científicos inovadores para ampliar o entendimento dos determinantes e das políticas sociais e ambientais sobre a saúde da população, além de apoiar tomadas de decisões em políticas públicas, em benefício da sociedade.

SOBRE A PCDaS

Lançada em 2016, a PCDaS é uma iniciativa do Laboratório de Informação em Saúde (Lis) e do Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação em Saúde (Ctic), ambos do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), tem em como objetivo principal desenvolver e disponibilizar Plataforma de Ciência de Dados aplicada à Saúde (conceito de PaaS – Platform as a Service) pública e gratuita com utilização de ferramentas open source para armazenamento, gestão, análise e disseminação de grandes quantidades de dados de saúde e seus determinantes socioambientais para pesquisadores, docentes e discentes de instituições de ensino e pesquisa, bem como gestores governamentais.

SOBRE O DATASUS

O Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) tem como responsabilidade prover os órgãos do SUS de sistemas de informação e suporte de informática, necessários ao processo de planejamento, operação e controle. Em quase 25 anos de atuação, o DATASUS já desenvolveu mais de 200 sistemas que auxiliam diretamente o Ministério da Saúde no processo de construção e fortalecimento do SUS. 

SOBRE O GRAND CHALLENGES EXPLORATIONS

Em 2007, a Fundação Gates lançou o Grand Challenges Explorations para envolver inovadores do mundo mais rapidamente. Boas ideias surgem em todos os lugares. Duas vezes ao ano, o Grand Challenges Explorations aceita propostas de projetos de alto risco e alta recompensa em uma série de desafios. No Brasil, uma parceria com Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs) pode proporcionar um aporte financeiro adicional a inovadores de seus estados que tiverem suas ideias selecionadas pelo programa.

 

Clique aqui e confira as FAPs que aderiram a Chamada.

 

Fonte:  Global Health Strategies 

 

O Ministério da Saúde, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e, em colaboração com a Fundação Bill & Melinda Gates e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa – Confap, lançou nesta semana o segundo Grand Challenges Explorations (GCE) exclusivo para projetos no Brasil sobre o tema “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil, saúde da mulher e da criança no Brasil”. A chamada vai financiar propostas inovadoras de até 550 mil reais que utilizem análises de bancos de dados e técnicas de machine learning para entender os principais fatores que impactam impactam a saúde materno-infantil, a saúde das mulheres e das crianças no Brasil e propor soluções nessas áreas. Além disso, a chamada incentiva o envio de propostas que considerem os impactos da pandemia da COVID-19 na saúde desses grupos.

 

Em 2018, a primeira chamada do GCE em Ciência de Dados financiou 14 projetos na área da saúde materno-infantil. Os selecionados utilizaram uma ampla variedade de ferramentas de análise, como cruzamentos, visualização de dados, machine learning e inteligência artificial, para gerar informações que ajudaram a avaliar políticas existentes ou a criar novos programas para melhorar a saúde de mulheres e crianças.

 

Entre os projetos financiados e que já foram concluídos na primeira chamada estão o de Muriel Gubert e Gilberto Kac. Muriel, professora da UnB e doutora em Ciências da Saúde, ao lado dos pesquisadores Gabriela Buccini e Marcos Ennes, criou o Índice Município Amigo da Primeira Infância, o IMAPI, que avalia ambientes favoráveis para o desempenho na primeira infância em municípios brasileiros. O IMAPI foi criado a partir da agregação de um conjunto de indicadores de diferentes bases de dados sobre os municípios e tem como objetivo apoiar a tomada de decisões de gestores sobre políticas relacionadas à primeira infância. “A ideia da ferramenta é que o município reconheça suas fragilidades e suas fortalezas para melhorar o desenvolvimento na primeira infância”, explica Muriel. O projeto recebeu apoio adicional da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF).

 

Já o projeto do pesquisador e professor titular da UFRJ, Gilberto Kac, tem como objetivo criar uma nova curva de monitoramento de ganho de peso gestacional para auxiliar no monitoramento das mulheres durante a gravidez. Durante este período, é importante que a mulher ganhe peso, mas é preciso que este ganho fique dentro dos parâmetros considerados normais. “É importante que a mãe acompanhe esta curva. Uma mulher que ganha um peso muito acima da recomendação tem riscos de ter obesidade no pós-parto, por exemplo. Se ela ganha abaixo do recomendado, pode gerar crianças desnutridas”, explica Gilberto. A ideia é que em 2021 a nova curva substitua a antiga que está nas cadernetas de gestantes utilizadas no SUS.

 

Nesta segunda rodada, os pesquisadores terão acesso aos bancos de dados vinculados ao DATASUS/MS, à Plataforma de Ciência de Dados Aplicada à Saúde (PCDaS/FIOCRUZ) e ao Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde, o CIDACS/FIOCRUZ. Este último disponibilizará aos pesquisadores datasets da Coorte de 100 milhões de brasileiros que têm dados entre 2006 e 2018 oriundos do Cadastro Único (CadUnico), do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do programa Bolsa Família e do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN).

 

Mais detalhes sobre os dados disponíveis das três plataformas podem ser acessados em bit.ly/GCE-2020-synapse.

 

O recebimento de propostas para esta chamada do Grand Challenges Explorations – Brasil vai até o dia 28 de setembro e os projetos devem ser encaminhados, em português e  inglês, ao CNPq através do Formulário de Propostas online disponível na Plataforma Carlos Chagas (carloschagas.cnpq.br). Para enviar seu projeto, o proponente deve ter vínculo formal com a instituição de pesquisa brasileira, a qual precisa estar cadastrada no Diretório de Instituições do CNPq.

 

Para mais informações sobre como enviar projetos, acesse: bit.ly/GCE-2020-cnpq

 

SOBRE O CIDACS

 

O Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (CIDACS) realiza estudos e pesquisas baseados em projetos interdisciplinares originados na integração de grande volume de dados. Com auxílio de recursos computacionais de alto desempenho e do conhecimento já acumulado pelos pesquisadores associados, o CIDACS contribui para a produção de conhecimentos científicos inovadores para ampliar o entendimento dos determinantes e das políticas sociais e ambientais sobre a saúde da população, além de apoiar tomadas de decisões em políticas públicas, em benefício da sociedade.

 

SOBRE A PCDaS

 

Lançada em 2016, a PCDaS é uma iniciativa do Laboratório de Informação em Saúde (Lis) e do Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação em Saúde (Ctic), ambos do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), tem em como objetivo principal desenvolver e disponibilizar Plataforma de Ciência de Dados aplicada à Saúde (conceito de PaaS – Platform as a Service) pública e gratuita com utilização de ferramentas open source para armazenamento, gestão, análise e disseminação de grandes quantidades de dados de saúde e seus determinantes socioambientais para pesquisadores, docentes e discentes de instituições de ensino e pesquisa, bem como gestores governamentais.

 

SOBRE O DATASUS

 

O Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) tem como responsabilidade prover os órgãos do SUS de sistemas de informação e suporte de informática, necessários ao processo de planejamento, operação e controle. Em quase 25 anos de atuação, o DATASUS já desenvolveu mais de 200 sistemas que auxiliam diretamente o Ministério da Saúde no processo de construção e fortalecimento do SUS.

 

SOBRE O GRAND CHALLENGES EXPLORATIONS

 

Em 2007, a Fundação Gates lançou o Grand Challenges Explorations para envolver inovadores do mundo mais rapidamente. Boas ideias surgem em todos os lugares. Duas vezes ao ano, o Grand Challenges Explorations aceita propostas de projetos de alto risco e alta recompensa em uma série de desafios. No Brasil, uma parceria com Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs) pode proporcionar um aporte financeiro adicional a inovadores de seus estados que tiverem suas ideias selecionadas pelo programa.

 

Clique aqui e confira as FAPs que aderiram a Chamada.

 

Fonte:  Global Health Strategies 

Fundação de Apoio a Pesquisa do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

FAPDF

Granja do Torto Lote 04, Parque Tecnológico Biotic Cep: 70.636-000